27 de nov de 2010

Tudo resolvido...

... assim espera-se :)


Obama pressiona a China para conter Coreia do Norte

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pressionou a China nessa quarta-feira a que contenha sua aliada Coreia do Norte e também faça o regime comunista de Pyongyang parar com suas ações provocadoras contra a Coreia do Sul, após um ataque de artilharia, que os EUA disseram ter sido um ato “premeditado” de violação da trégua que acabou com a Guerra da Coreia em 1953. O ataque, desfechado na terça-feira contra uma ilha sul-coreana no Mar Amarelo, próxima à disputada fronteira marítima entre as duas Coreias, deixou quatro sul-coreanos mortos, dois dos quais eram civis.

Como único aliado e parceiro comercial importante do isolado regime da Coreia do Norte, a China tem um papel crucial em reduzir as tensões e possui o dever de dizer a Pyongyang que atos deliberados “planejados exclusivamente para inflamar as tensões na região” não são aceitáveis, disse o Departamento de Estado do governo americano.

“A China é crucial em levar a Coreia do Norte para uma direção fundamentalmente diferente”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, P.J. Crowley. “Nós esperamos que a China seja clara, como nós somos, na presente situação”, afirmou. Ele disse que diplomatas americanos entregaram a mensagem a funcionários chineses.

Oficialmente, a China manifestou nessa quarta-feira sua “dor e pesar” a respeito dos quatro sul-coreanos que foram mortos na troca de disparos no dia anterior, e instou ambas as partes a mostrarem “calma e moderação”. Em comunicado do Ministério das Relações Exteriores, a China continuou nessa quarta-feira a evitar a tomada de um partido claro. O governo chinês pediu ao Norte e ao Sul que retomem o diálogo e se ofereceu a trabalhar com os dois governos para resolver uma das piores crises na Península Coreana desde a Guerra da Coreia de 1950-1953. (AE)


Medidas

A Coreia do Sul anunciou nessa quarta-feira as primeiras medidas para penalizar a Coreia do Norte pelo ataque de artilharia realizado por Pyongyang na terça-feira. Seul cortou ajuda humanitária e interrompeu o tráfego até o vizinho, além de anunciar um treinamento militar conjunto com os Estados Unidos, informou o Wall Street Journal. (AE)

0 comentários:

Postar um comentário